DestaquesEditorialSem categoria

EDITORIAL – Qual a diferença entre uma queimada e um incêndio florestal?

Incêndio na Amazônia, Imagem: Loren McIntyre – 1989

Um assunto que tem estado em pauta na mídia internacional nessa ultima semana é a quantidade de “queimadas na Amazônia”, rapidamente aparecem imagens de milhares de animais mortos na rede, pessoas protestam mundo a fora, mas fica a pergunta: Você sabe a diferença entre uma queimada e um incêndio florestal?

Se você não sabe a diferença, não fique triste, pelo que vemos na mídia, nenhum jornalista sabe, ou pelo menos finge não saber, dada a forma como noticiam os fatos, durante esse final de semana eu estive com produtores rurais, biólogos, fiscais do Ibama e pesquisadores para ter certeza de que estaria escrevendo isso da forma correta, e realmente é exatamente o que eu já sabia desde pequeno (sim, meus avós eram agricultores).

As queimadas são um método utilizado pelos agricultores e pecuaristas para limpar o terreno de ervas daninhas e pragas antes do manejo da terra e consiste no seguinte:

Para o manejo da terra em um local intocado pelo homem, primeiro vem a derrubada (o desmatamento propriamente dito), depois toda a madeira das arvores caídas é retirada, seja para a venda ou para a construção de bem feitorias no terreno, em seguida, as bordas do terreno são limpas para evitar incêndios, todo o material cortado é deixado por uma ou duas semanas até secar, e só então é tocado fogo, dessa forma o terreno é limpo e não resta nenhum lixo para ser jogado fora.

Em áreas de mata secundária, ou seja, que já foram cultivadas, mas que o mato cresceu, o processo é parecido, com a diferença que não sobra nenhuma madeira útil após a derrubada, depois disso as margens do terreno são limpas e após uma semana acontece a queimada.

Em uma queimada raramente existe a morte de animais, pois a derrubada já ocorreu e os animais já fugiram a pelo menos uma semana, nada que uma inspecionada no terreno antes da queimada não resolva.

Já os incêndios florestais são bem mais danosos ao meio ambiente, esse sim mata animais e não possui controle, podendo consumir uma floresta inteira em questão de dias, esses incêndios acontecem com mais frequência do meio para o fim da estação seca, e suas principais causas são a queda de raios, queimadas mal planejadas, e por incrível que pareça, bitucas de cigarro jogadas na beira da estrada.

A ocorrência de um incêndio florestal depende muito do meio ambiente e do clima local, enquanto uma simples bituca de cigarro pode provocar um incêndio incontrolável no Cerrado e em algumas partes da Mata Atlântica, isso se torna praticamente impossível na floresta amazônica (disse praticamente, porque de vez em quando tem um ninja que consegue), onde chove praticamente todos os dias o ano todo e a umidade é sempre alta.

Mas a essa altura você já deve estar se perguntando: Se as queimadas não matam os animais e é quase impossível provocar um incêndio florestal na Amazônia, porque existe tanta fiscalização e tantas pessoas são presas ou multadas por causa de queimadas?

Bom, isso acontece porque a prática de queimadas no Brasil quase sempre é ilegal, eu digo quase sempre porque existem algumas exceções, são elas, a agricultura de subsistência, (agricultura familiar, indígenas, quilombolas), ou em locais onde seja realmente necessário o uso de queimadas, em todos esses locais deve ser feito um controle rigoroso da queimada, os vizinhos devem ser avisados e o proprietário deve ter autorização prévia dos órgão competentes para a realização da queimada, porém, apenas uma minoria possui recursos para esse controle rigoroso, que requer pessoal e equipamentos caros, e acabam por cair na ilegalidade, muitas vezes sendo autuados.

Ok, mas então, porque fazer queimadas se existe essa burocracia tão grande?
Porque ainda é de longe a forma mais eficiente de se limpar um campo para o cultivo ou pecuária, imagine limpar 100 hectares de terras depois de uma derrubada sem o uso do fogo, a quantidade de detritos que teria que ser removida e jogada em algum lugar, a quantidade de lixo que isso iria virar e que provavelmente seria jogada na floresta, imagine todo esse material seco dentro da floresta, os riscos de um incêndio florestal, então é melhor e mais barato queimar no campo que jogar no meio do mato, um raio cair e provocar um incêndio, outro motivo para os produtores preferirem a queimada é que o fogo queima as pragas como formigas e cupins que danificam as plantações, e com isso uma quantidade bem menor de defensivos agrícolas vai precisar ser usada.

Os contras:
Além da ilegalidade na maioria dos casos, as queimadas acabam destruindo a cobertura orgânica do solo, fazendo o solo perder nutrientes, e ficar vulnerável à erosão pelo vento e pela água, as minhocas que tornam a terra mais arejada também morrem no processo, obrigando os produtores a aplicarem fertilizantes artificiais, que se não forem aplicados corretamente podem causar estragos.

Apesar de ser ilegal em quase toda a sua totalidade no Brasil e na maioria dos países civilizados, as queimadas são uma prática frequente dos produtores de quase todos os países do globo, se você pegar as fotos de satélite do dia do corredor de fumaça Acre – São Paulo, verá que existem focos de fumaça sobre a França, Alemanha, Itália, vários países da África, e até sobre o norte do Canadá, um lugar tão frio que até a presente data pensávamos que nada pegava fogo 😀
Infelizmente trata de uma prática generalizada que provavelmente ainda existirá daqui a 50 anos, dada sua praticidade.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo